15h21

Outubro Rosa: confira entrevista sobre o tema feita pela Galáxia Comunicação

Compartilhe
Tamanho do Texto
Olaços e monumentos iluminados em cor de rosa espalhados por Salvador, pelo Brasil e pelo mundo no mês de outubro são um alerta para a prevenção contra uma doença que deve atingir quase três mil mulheres na Bahia, apenas em 20
16. Para contribuir com a discussão sobre o câncer de mama, a repórter da Galáxia Paloma Brito entrevistou a médica ginecologista e obstetra Adriana Monteiro. A especialista falou com a equipe da Galáxia Comunicação sobre a importância do autoexame e de hábitos que podem prevenir a doença desde a juventude, como a prática de atividades físicas.
 
Galáxia - Qual é a importância de fazer o autoexame das mamas e a partir de qual idade esse procedimento é necessário?
Adriana Monteiro - O autoexame é uma forma simples da mulher saber se a mama dela está bem. Olhando para o espelho, sete a dez dias após a menstruação, a mulher vai observar se há áreas endurecidas, nódulos, modificações da pele, vermelhidão, observar os mamilos e se sai secreção quando são apertados na base. Deve ser realizado a partir dos 20 anos. O autoexame é uma arma a mais contra o câncer de mama, mas não anula a necessidade das mamografias de rotina após os 40-50 anos, nem a visita periódica ao ginecologista
 
G - Qu
ais são os tratamentos para o câncer de mama?
AM - Os tratamentos para o câncer de mama dependem do momento do diagnóstico. Quanto mais precoce, melhor. Na atualidade, quanto mais cedo for feito, o diagnóstico através da mamografia visualiza nódulos que às vezes ainda nem são palpáveis ao exame físico da mama, melhor. A cirurgia está cada vez mais avançada e retira sempre a menor quantidade de mama possível, seguindo margens de segurança para se evitar metástases (quando o câncer se espalha para outras áreas do corpo). Existe também a radioterapia, que é a emissão de radiação sobre a mama; e a quimioterapia, bastante avançada com menos efeitos colaterais e maior taxa de cura. O mais importante para o sucesso do tratamento realmente ainda é o diagnóstico precoce, quando muitas vezes os nódulos e as alterações de pele ainda não são nem percebidos no autoexame. Logo, o autoexame não suspende a necessidade da visita ao médico ou a realização da mamografia de rastreio a cada um ou dois anos. Quanto mais cedo o diagnóstico, maior a chance de cura e boa qualidade de vida.
 
G - O que é mastectomia e quando ela deve ser feita?
AM - Mastectomia é a cirurgia de retirada da mama afetada pelo câncer. Existem técnicas atuais bem menos invasivas que as de antigamente. Após anos de pesquisa, descobriu-se que muitas vezes, quando os nódulos são pequenos, não se necessita retirar toda a mama afetada, apenas quadrantes da mama (chamada quadrantectomia). Em nódulos maiores, retira-se a mama toda e, a depender do tipo do câncer e do tratamento sugerido pós-cirurgia, já se aplica a prótese mamaria e restituição do mamilo com cirurgia plástica. Não devemos temer a cirurgia, quanto antes realizá-la, melhor.
 
G - Quais hábitos podem diminuir a chance de uma mulher ter câncer de mama?
AM - A maior parte os canceres de mama (cerca de 90%) não tem relação com genética ou história familiar de câncer. Fumo, bebida alcoólica, falta de atividade física e obesidade, ciclos menstruais irregulares como na síndrome dos ovários policísticos são fatores que podemos mudar na nossa vida e reduzem as chances de ter câncer de mama. Amamentar, se exercitar, ingerir menos gorduras, perder peso são fatores protetores contra o câncer e estão nas nossas mãos! A história familiar de câncer de mama, ovários, intestinos sempre deve ser comentada nas visitas ao ginecologi
sta para que se chame a atenção ao melhor período de rastreio a depender dessa história familiar.
 
G - Quais são os sintomas do câncer de mama?
AM - O problema do câncer de mama é que, no início (quando a chance de cura, se ele for descoberto, é maior) ele é completamente assintomático. Não há dor na mama e, muitas vezes, as mulheres não conseguem palpar caroços ou notar nada estranho. Quando ele aumenta de tamanho, podemos notar secreção nos mamilos, áreas vermelhas e endurecidas, pele com alteração tipo "casca de laranja", dor, ferimentos, nódulos nas axilas. Sempre devemos procurar o médico o mais rápido possível quando esses sintomas se instalarem. O diagnóstico precoce é fundamental no tratamento e cura da doença.        
              
G - Você, como mulher, de que forma percebe o corpo após um câncer de mama?
AM - O câncer de mama assusta muito a todas nós mulheres, pois é cada vez mais comum principalmente devido às mudanças nos hábitos de vida modernos. Sedentarismo, alimentação rica em gorduras ruins, obesidade, fumo, gravidez e amamentação após os 35 anos, são fatores que nós podemos mudar, e já! Ensinemos nossas filhas, lá na adolescência sobre o autoexame, sobre bons hábitos de vida e alimentação, assim teremos uma sociedade mais saudável e menos mulheres vítimas de uma doença muitas vezes evitável.
Tenha mais experiências na Unijorge
Quer mais informações?
Espaço do Colaborador:
2007 - 2020. Unijorge - CNPJ: 01.120.386/0001-38. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital